Fênix: A Eternidade

04/11/2007  (retirado do meu blog no GloboOnliners que será extinto nesse mês…)

Essa foto é espetacular. Idéia genial de meu amigo Marcos Paulo, fiel leitor não cadastrado desse blog.

Um carro passa na rua. Não para, apenas passa. Os passageiros me olham. Sou um pássaro. Exótico, um delírio ótico, a um passo da eternidade. Um segundo passa num átimo. No ínfimo instante que dura o tempo em que um segundo carro na rua passa. E a esse segundo que vai, já não sou eu um pássaro, mas um solitário saltimbanco a procura de prazer. Provei a vida pra ver que gosto tinha, virei a tina da vida e não encontrei uma gota sequer de nexo. Ela pede se quero sexo, eu peço um trocado, em troca toco um canto pequeno de rima incerta, valor impreciso (quem precisa de precisão?), mas de profunda melancolia. Eu lhe toco a alma enquanto toco esse meu canto, e enquanto canto, lhe evoco os mais fúteis sentimentos voláteis.
Fugaz, pueril, prosaico. Já fui pássaro, já fui homem, já fui sentimento, já fui lixo. Fui pra rua, vi os carros, senti medo, senti paz. Hoje tudo passou, pois tudo passa; como os carros com seus passageiros.
A vida é de um toque matreiro, um canto incerto, um pássaro ligeiro, um saltimbanco estrangeiro, e passa. Ah, e como a vida passa…
Já fui pássaro, já voei, já passei. Já cantei, já voltei, e hoje eu sei: Não foi perdido o tempo que por aí andei. A vida passa. Ela um dia termina. Quando? Eu não sei. Mas eu vivo, enquanto der, enquanto durar esse segundo incerto, essa felicidade desconexa, esse leve suspirar, esse instante ínfimo, tão curto: eternidade.

Anúncios

Sobre Tiago Carpes do Nascimento

Brasileiro, casado, vinte e poucos anos, escritor por obrigação e prazer, professor, curioso, eclético em matéria de música, adora livros e filmes inteligentes (instigantes), cristão, conservador, gosta de política, já sonhou ser presidente do Brasil, presidiu comitê municipal de sigla política, mas a desilusão foi tanta que hoje se contenta apenas em contribuir para a melhoria da educação e para o crescimento vegetativo da população, tendo dado o seu contributo em duas ocasiões.
Esse post foi publicado em VERSOS e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s