A REFORMA PROTESTANTE

Lutero e as 95 teses
Lutero e as 95 teses

RESUMO: A reforma protestante foi junto com o renascimento cultural o fator fundamental para a mudança de atitude que ocorreu na Europa e se transformou no divisor de águas entre a idade média e a era moderna. Nesse artigo vamos procurar relatar algumas questões inerentes a reforma. É claro que em virtude do trabalho abranger variados aspectos vamos talvez sacrificar a profundidade em prol da abrangência.

Palavras chave: Humanismo; Reforma; Idade Moderna.

1 INTRODUÇÃO

Segundo Santos (2008) a Reforma Protestante pode ser considerada, junto com o Renascimento, o prelúdio da Modernidade na Europa. Tal consideração ocorre porque esse movimento está intrinsecamente ligado à liberdade política e ao capitalismo. A marca que identifica esses dois movimentos é a instauração da liberdade humana: tanto a Reforma como o Renascimento foram produtos do Humanismo, onde estudiosos e teólogos tinham desejos de voltar no tempo e buscar na pureza da Antigüidade Clássica a origem para Renovação que o homem tanto desejava. Ou seja, era necessário que o homem voltasse ao seu passado para conseguir se libertar no seu presente.

Prossegue dizendo Santos (2008) que mesmo tendo o mesmo embrião filosófico/teórico, o desenrolar dos dois movimentos teve uma enorme diferença na sociedade que o criara: enquanto o Renascimento atingiu apenas as elites da sociedade (tanto econômicas como políticas e culturais), a Reforma alcançou toda a massa populacional européia: dos mais altos governantes até os mais simples camponeses, todos foram tocados por ela.

Partindo desses pressupostos pretendo nesse artigo delinear vagamente os efeitos da Reforma ou em outras palavras vou procurar definir quais foram as reações que essa ação coletiva causou.

2 CONTEXTUALIZANDO A ÉPOCA

Segundo Oliveira (2000) no início do século XVI, a Igreja atravessava uma das fases mais árduas da sua história. Ela já não era pequena, simples e pura como nos primórdios. Havia crescido. Com esse crescimento vieram também problemas profundos e prolongados. Alguns sacerdotes inescrupulosos julgavam-se donos da que outrora fora a causa do “Senhor”. Era necessária uma reformulação nos conceitos da velha organização. Uma faxina sem precedentes, a bem da verdade, uma reforma.

Em contrapartida o resto do mundo começava a despertar da letargia da era passada. Esse despertar se processou de forma tão extraordinária que foi necessária uma nova palavra: Renascimento. Segundo Oliveira (2000) o movimento renascentista, surgido no século XIV assumira toda a sua grandeza no final do século XV. Todas as faculdades da natureza humana haviam sido dimensionadas e todas as atividades humanas apresentavam grandes progressos. Vivia-se uma época de grandes conquistas.

Para que ilustremos essa fala, basta nos lembrarmos de Colombo descobrindo a América; Cabral aportando no Brasil; do tamanho exato da Terra sendo determinado; da descoberta do sistema solar por Copérnico, que revolucionou as idéias humanas sobre o universo. Também foi nessa época que Gutenberg criou a imprensa de tipos móveis. Graças a esses recursos as idéias se espalhavam mais rapidamente. A mente humana foi ainda mais despertada e fortalecida para futuros empreendimentos, um dos quais veio a ser a Reforma Protestante.

3 A REFORMA

Por viverem esse momento épico da história humana, muitos religiosos começavam a ver com maus olhos as atitudes antiquadas da Igreja. Com uma sociedade que começava a despertar para a existência do lucro o ascetismo da Igreja passou a não funcionar. Para Dauwe (2008) a Reforma era um movimento coerente com a nova sociedade que estava surgindo. Nesse ponto parece-me que ele quer dizer que foi fruto de uma necessidade muito mais econômica do que expressamente religiosa. Os burgueses queriam ter seus lucros vendendo seus produtos pelos preços que melhor entendessem, cobrando juros dos seus empréstimos e sem ter nenhum encargo de consciência. Outros historiadores como Oliveira (2000) defendem a idéia de que a Reforma foi puramente religiosa, que seu caráter econômico ou político foi somente entendido e utilizado muito depois do seu início, para o historiador, foi em 1512, enquanto lia a Bíblia Sagrada que Lutero se deparou com uma declaração revolucionária: “o justo viverá da fé”, passagem essa que lhe deu a idéia de que não era necessária a figura do clero como intermediário entre Deus e os pecadores. Sendo dessa forma, sua idéia original não passava de uma discussão teológica, não tendo necessariamente a função sócio-política que Dauwe crê vislumbrar.

De qualquer forma ambos os pontos de vista são equânimes em dizer que Lutero, o mentor da Reforma, não tinha pretensão de se opor à Igreja, muito menos criar uma nova religião (DAUWE, 2008). O que ele queria era mesmo reformar a velha organização medieval querendo para isso apoio do papa. Como a direção da Igreja não estava a fins de perder o status que tão bem lhe caia desde o início da Idade Média, Lutero foi desacreditado, combatido e posteriormente excomungado. Contudo, e eu acho que aí começa realmente a tomar corpo a função política da Reforma, o povo e principalmente os governantes locais passaram a ver na Reforma uma boa opção para libertar-se do jugo da Igreja. Dauwe deixa isso bem claro quando diz que “os príncipes germânicos perceberam que as idéias de Lutero eram um ótimo pretexto para tomar terras da Igreja e de seus inimigos” (2008, p. 59). Nessa mesma linha Oliveira (2000) complementa “Foi nesse clima de euforia que a partir de 1520 os ensinos reformistas de Lutero dominaram rapidamente a maior parte da Europa”.

Segundo Oliveira (2000) ao mesmo tempo em que Lutero brigava na Alemanha, Calvino contestava a Igreja em Genebra, Guilherme de Orange protestava nos países baixos, John Knox ia à luta na Escócia e o Anglicanismo de Henrique VIII dava um basta na influência da Igreja na Inglaterra. Quer dizer, inúmeros focos revoltosos surgiam por toda a parte. A Igreja não poderia ficar alheia a isso tudo. Contudo segundo Oliveira (2000) a Igreja se achava em estado de tal decadência, e os papas da época tão interessados na vida privada e desinteressados da religião que, por espaço de um quarto de século após o início do movimento reformador, pouquíssimas foram as medidas para reprimi-lo.

4 A CONTRA-REFORMA

Segundo Oliveira (2000) foi no ano de 1541 que a Igreja acordou por fim da sua aparente letargia e passou a empregar medidas mais severas na repressão ao protestantismo. Era o início do que foi chamado posteriormente de contra-reforma. Três foram os meios escolhidos para conter o avanço dos revoltosos: a Sociedade de Jesus, o Concílio de Trento e a Inquisição.

O propósito da Sociedade de Jesus era promover o progresso eclesiástico e lutar contra os inimigos da Igreja por todos os meios possíveis. Era trabalho incessante, num espírito de lealdade ao papa, lealdade essa inquestionável. (OLIVEIRA, 2000). Um dos métodos de operação bastante difundido da Sociedade foi de caráter político. Nos governos católicos os jesuítas passaram a inspirar devoção à Igreja e ódio ao Protestantismo. Esse caráter se viu de forma bastante clara nas Guerras Religiosas que irromperam por toda a Europa nessa época. Outro caráter da Sociedade era o de expandir as fronteiras da Religião catequizando povos pagãos. Foram eles que estiveram educando os índios brasileiros quando do início da exploração de nossa terra.

O Concílio de Trento foi destacado pelo fato de ter sido através do mesmo que a Igreja formulou uma declaração completa da sua doutrina. Embasando a sua batalha contra os dissidentes. Ao final desse concílio havia sido criado o Índex (lista de livros proibidos) e também reforçada a atuação do Tribunal da Inquisição (DAUWE, 2008).

A Inquisição, segundo Dauwe (2008) tinha a tarefa de investigar desvios de fé e também desvios de conduta dos súditos. De acordo com o site Wikipédia.com (2008 a) “Ao contrário do que é comum pensar, o Tribunal do Santo Ofício é uma entidade jurídica e não tinha forma de executar penas. O resultado da inquisição, feita a um réu, era entregue ao poder régio, muitas vezes com o pedido de que não houvesse danos nem derramamento de sangue”. De qualquer forma essa foi uma forma que a Igreja encontrou de desencorajar os fiéis a abandonarem a Fé Católica.

5 CONCLUSÃO

Podemos dizer então, que a principal das reações da Reforma Protestante foi a Contra-Reforma e suas medidas que afetavam a sociedade da época. É uma resposta correta, mas pode soar simplista. Então vamos destacar mais alguns pontos. De acordo com o site Wikipédia.com (2008 b) existiram outros efeitos.

O resultado deste movimento religioso é uma mais fervorosa observação dos princípios morais cristãos tais como eles estão expressos na Bíblia. Os movimentos de zelo religioso que têm lugar na Europa do século XVI são para ser entendidos no contexto do efeito multiplicador iniciado pela invenção da imprensa por Gutenberg. Se a bíblia não estivesse agora acessível a cada um, traduzida nas línguas e dialetos locais, compreensível aos Europeus, tal como ela começou a surgir no século XVI, tal zelo religioso não teria sido possível. Anteriormente ao século XVI, a bíblia era um manuscrito em Latim, (língua dominada por uma minoria) do qual havia poucas cópias, que se encontravam fechadas nos conventos e nas igrejas, lidas por uma elite eclesiástica. A grande maioria da população nunca a tinha lido. No século XVI, ela está disponível em grandes números e nas línguas e dialetos locais. Não é de admirar pois que a religião se torne um tema polêmico.


E segundo Dauwe (2008) houve outro rebento dessa época que pode ser destacado: O capitalismo. Diz ele que diversos estudiosos apontam uma relação muito estreita entre a ética desenvolvida pelos protestantes (principalmente por Calvino) e o desenvolvimento do capitalismo. Como mostrei no trabalho, razões existem para que se possa assim pensar. Libertando os homens da visão do lucro como pecado, o caminho natural foi a instauração do livre mercado e todas as variantes relativas ao referido sistema econômico.

Assim concluo voltando ao pensamento original, de que a reforma protestante, aliada ao Renascimento cultural foi a gênese da Modernidade. Como bem dizia Santos (2008) somente a Reforma Protestante conseguiria saciar a sede espiritual do momento – sede essa que não era sentida apenas pelos intelectuais ou príncipes, mas por todos. O que justifica sua enorme difusão. Apenas a Reforma poderia abalar (como de fato abalou) a mais rígida instituição feudal: a Igreja Católica. Assim, podemos dizer que o tão falado Renascimento Cultural, sozinho não poderia transformar o pensamento medieval em moderno. Dessa forma podemos dizer que a Reforma Protestante é a grande responsável pela mudança de atitude no pensamento e no modo de vida do mundo ocidental.

6 REFERÊNCIAS

DAUWE, Fabiano. Caderno de Estudos: História Moderna. Indaial: Ed. ASSELVI, 2008.

OLIVEIRA, Raimundo Ferreira de. História da Igreja: dos primórdios à atualidade. 4ª ed. Campinas: EETAD, 2000.

SANTOS, Ynaê Lopes dos. A Reforma. Disponível em <http://www.klepsidra.net/klepsidra6/areforma.html&gt; Acesso em: 18 jun. 2008.

WIKIPEDIA.COM(a). Inquisição. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Inquisi%C3%A7%C3%A3o&gt;. Acesso em 18 jun. 2008.

WIKIPEDIA.COM(b). Reforma Protestante. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Reforma_Protestante&gt;. Acesso em 18 jun. 2008.

.

🙂

Anúncios

Sobre Tiago Carpes do Nascimento

Brasileiro, casado, vinte e poucos anos, escritor por obrigação e prazer, professor, curioso, eclético em matéria de música, adora livros e filmes inteligentes (instigantes), cristão, conservador, gosta de política, já sonhou ser presidente do Brasil, presidiu comitê municipal de sigla política, mas a desilusão foi tanta que hoje se contenta apenas em contribuir para a melhoria da educação e para o crescimento vegetativo da população, tendo dado o seu contributo em duas ocasiões.
Esse post foi publicado em ARTIGOS e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

26 respostas para A REFORMA PROTESTANTE

  1. Rebeca disse:

    olha !! Eu achei muito legal a sua pesquisa !!
    Mas eu estou na 6º Serie e a Professora pediu pra fazer um resumo sobre a REFORMA PROTESTANTE !!
    Você acha que eu devo copiar isso tudo ??
    Bom eu vou ver aqui !!
    Faço tudo pra ficar completo e tirar nota maxima !!

    Obrigado por escrever isso pra mim !!
    Foi otimo você me falar um pocuco mais sobre a REFORMA PROTESTANTE !!
    E eu pude aprender muito mais com isso que você escreveu

    Obrigada mesmo !!

  2. pedro disse:

    parabéns mto bom cra ;

  3. ahsuashua disse:

    Affs B ando de Nooobs

  4. Rayana disse:

    calem a boca seus idiotas aí d cima, a reforma é super show, dãããrrr

  5. Raissa maytê da costa gaia disse:

    Olá eu adorei essaa pesquisa era o q eu tava precisando.
    obrigada! valeu!!!!

    parábens pela sua pesquisa ótima!!!

  6. Sinistro disse:

    poxa

    na Nº3 ” A reforma”

    qur dizer A reforma protestante?

    ou a contra reforma?

  7. ana disse:

    Parabéns mto bom site, estou na 6ª séria e o professor fez a seguinte pergunta no trabalho: “O que representou qual foi o resultado a reação da reforma de Lutero para a igreja?” estava difícil de achar, mas achei aqui!
    Mto legal o site, Parabéns!

  8. jose oliveira Junior disse:

    AE PODE ME RESPONDE UM PERGUNTA?

    COMO O PROTESTANTISMO CONTRIBUIU PARA O FIM DO RENASCIMENTO?

    VLW..

    MANDA RESPOSTA PELO MEU EMAIL
    >>>jjjuniorpa@hotmail.com<<<<

    VLW …ABRAÇOS

    • Tiago disse:

      O Protestantismo contribuiu para o fim da Idade Média, não o do Renascimento.
      Aliás, foi junto com o Renascimento um dos causadores dessa mudança Medieval-Moderno.

  9. LáàH disse:

    quais fatores politicos,economicos e religiosos responsaveis pelo inicio da eforma protestante ?

  10. LáàH disse:

    quais fatores politicos,economicos e religiosos responsaveis pelo inicio da reforma protestante ?

  11. taiane disse:

    em poucas palavras defina o movimento renascentista?
    me ajudem a fazer esta pergunta..

  12. taiane disse:

    em poucas palvras defina o movimento renascetista.

  13. AGNALDO disse:

    parabens,adorei a materia era justamente o que eu proucurava,vc é muito bom,continui com seus sonhos pois quem sabe um dia torna se realidade,pois com Deus tudo podes….

  14. Pingback: A HISTÓRIA E A CULTURA DA ÁFRICA E SUAS IMPLICAÇÕES COM A CULTURA BRASILEIRA NA ATUALIDADE | Eu vou morrer sem escovar os dentes…

  15. Emanuel disse:

    Valeeu manow ‘ Me ajudo muito esta pesqisa ‘ Vlww ‘ ;P >;) Obrigadããão aeew ‘ <3'

    Ahh e eu também sou Inteer <3' Vamo qe vamo colorado (L flou abração.

  16. Anônimo disse:

    va se ffuuudeerr vi@doo

  17. jessica disse:

    Naum imprte o q for nunca peça ajuda a ninguem pra fazer um trabalho pq amigos de escola so vao te enganar .
    pede so a duas pessoa familia e deus ai sim vc vai sai ganhando naum perdendo

  18. jessica disse:

    naum fique chateado so to abrindo seus olhos v/w

  19. Maria Vitarelli disse:

    As causas da Reforma Protestante devem ser ainda mais aprofundadas. Se Lutero quis melhorar a organização da Igreja Católica , a mais antiga Igreja cristã,, bastava dirigir seu esforço para esse lado ,e, não dar origem a tantas denominações, uma vez qie a verdade deve ser ´unica.
    Interesses outros, inclusive de ordem pessoal ,existiram.
    Mas, somos todos filhos de um único Deus, eis o que importa.

  20. Pingback: O ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA NO VIÉS DOS LIVROS DIDÁTICOS CONTEMPORÂNEOS | Eu vou morrer sem escovar os dentes…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s