O senhor Silva

Céu azul. Nem parecia que um dilúvio havia despencado na noite anterior. O honorável senhor Silva saiu de casa com um guarda-chuva debaixo do braço “nunca se sabe”, dizia ele. Mas o dia estava lindo. Zero por cento de possibilidade de chuva.

Ainda em Ipanema o senhor Silva já despertava olhares curiosos. Divertidos e curiosos. Curiosos e sarcásticos. E quanto mais perto da orla chegava, mais freqüentes se tornavam os olhares. Um homenzinho estranho portando um imenso guarda-chuva. Imune aos olhares o senhor Silva continuava intrépido em sua matutina caminhada.

Mas ninguém aceita por muito tempo ser o rídiculo. Por certo já arrependido de estar em semelhante situação, o senhor Silva começou a torcer os bigodes e a pensar num jeito de se livrar do incômodo artefato. Lixeiras enormes iam sendo deixadas pra trás, em qualquer uma delas seu guarda-chuvas poderia descansar em paz. Mas o senhor Silva era um homenzinho metódico. Não faria nada que o pudesse ainda mais ridicularizá-lo. O que pensariam os donos dos olhares divertidos ao vê-lo depositar o imenso e negro guarda-chuva no lixo? Não. Ele ia pensar em outra coisa.

Continuou a sua jornada. Já nem lembrava o que lhe havia tirado de casa, que destino teria ao pisar a rua. Apenas seguia a orla, ora devagar, ora apressado. Pensava em algo… Pensava em algo…

De súbito uma brusca guinada. Seus pés pisam a areia e o guarda-chuva negro voa de encontro ao mar. Ao primeiro que encontrou depois confidenciou “é uma mandinga que mãe-preta ensinou, talvez agora a tempestade não volte mais”.

Anúncios

Sobre Tiago Carpes do Nascimento

Brasileiro, casado, vinte e poucos anos, escritor por obrigação e prazer, professor, curioso, eclético em matéria de música, adora livros e filmes inteligentes (instigantes), cristão, conservador, gosta de política, já sonhou ser presidente do Brasil, presidiu comitê municipal de sigla política, mas a desilusão foi tanta que hoje se contenta apenas em contribuir para a melhoria da educação e para o crescimento vegetativo da população, tendo dado o seu contributo em duas ocasiões.
Esse post foi publicado em PROSA e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s